Buscador de Noticias Mundial. La mas completa informacion para todos los usuarios en todos los idiomas.



Barão das drogas escondia dinheiro e 1,5 t de cocaína

SÃO PAULO. A Polícia Federal confiscou US$ 4,54 milhões e 1,5 tonelada de cocaína da organização supostamente liderada por Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, apontado como o “Barão das drogas”. Ele foi preso no sábado, durante a operação Spectrum, deflagrada pela PF.

A polícia constatou que Cabeça Branca se submeteu a uma série de cirurgias plásticas para mudar o rosto e tentar dificultar sua identificação e localização. O balanço parcial da Spectrum foi divulgado nessa segunda-feira (3). A corporação ainda rastreia outros bens adquiridos pela organização de Cabeça Branca com recursos do tráfico.

Segundo a PF, os US$ 4,54 milhões foram encontrados em uma casa e em um apartamento na cidade de São Paulo. A cocaína foi localizada em três endereços diferentes. Também foram apreendidos joias, carros, relógios, documentos e computadores.

O órgão estima, contudo, que o traficante possua US$ 100 milhões, incluindo contas bancárias em paraísos fiscais, imóveis e veículos em nome de laranjas. A intenção é recuperar esse dinheiro na segunda fase da operação.

Cabeça Branca, um dos traficantes mais procurados pela PF e pela Interpol na América do Sul, foi preso no Paraná. Ele já está condenado a uma pena superior a 50 anos de prisão.

O nome da operação, derivado do latim, tem tradução na língua portuguesa como “espectro/fantasma”, uma referência ao líder do esquema, “que vivia discretamente e nas sombras, reconhecido no meio policial pela experiência internacional, transcontinental e com larga rede ilegal de relacionamentos, desviando-se das investidas policiais há quase 30 anos”.

Cruzamento de dados. Segundo a PF, Luiz Carlos da Rocha foi localizado mesmo com as alterações da face após cirurgias plásticas, a exemplo do que fez outro megatraficante internacional preso pela Polícia Federal em 2007, o colombiano Juan Carlos Ramírez-Abadía, chamado “Chupeta”.

Diante da suspeita de identificação de Cabeça Branca, foi acionada a área pericial da PF, que, de posse de dados fotográficos com os antigos traços faciais de Luiz Carlos da Rocha e a atual identidade fotográfica de Vitor Luiz de Moraes, concluiu-se que os dois nomes referiam-se à mesma pessoa.

“A organização criminosa de tráfico internacional de drogas liderada por Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, possuía perfil de extrema periculosidade e violência, sendo desvendada durante as investigações a utilização de escoltas armadas, ações evasivas, carros blindados, ações de contravigilância a fim de impedir a proximidade policial, porte de armas de grosso calibre, bem como o emprego de ações violentas e atos de intimidação para se manter em atividade por aproximadamente 30 anos”, informou a PF em relatório.

FUENTE:

http://www.otempo.com.br/capa/brasil/bar%C3%A3o-das-drogas-escondia-dinheiro-e-1-5-t-de-coca%C3%ADna-1.1492915