Buscador de Noticias Mundial. La mas completa informacion para todos los usuarios en todos los idiomas.



Barroso defende ensino religioso facultativo, sem promover crença

Em um julgamento que lança luz sobre o papel da fé na educação de jovens e a discussão sobre a laicidade do Estado, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quarta-feira, 30, para que o ensino religioso ministrado em escolas públicas seja facultativo e tenha caráter não confessional - ou seja, que não promova uma determinada crença dentro da sala de aula.

O julgamento da ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) será retomado na sessão plenária desta quinta-feira, 31. Por enquanto, votou apenas o ministro Luís Roberto Barroso - que é o relator do processo que questiona dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases e um acordo entre Brasil e o Vaticano que trata do ensino religioso em escolas públicas.

O decreto em questão, assinado em fevereiro de 2010 pelo então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, promulga um acordo entre Brasil e o Vaticano, que afirma que o "ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas" constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental. Na avaliação da PGR, a redação evidencia a adoção de um ensino confessional, ou seja, com vinculação a certas religiões.

A lei de Diretrizes e Bases, por sua vez, prevê que o ensino religioso é de matrícula facultativa, devendo os sistemas de ensino regulamentarem os procedimentos para a definição dos conteúdos. Segundo Barroso, a inexistência de um padrão nacional estabelecido pelo Ministério da Educação (MEC) fez com que Estados e municípios implantassem modelos com contornos diversos - o ministro destacou que Acre, Bahia, Ceará e Rio de Janeiro adotam o modelo confessional, o que representa, na sua visão, grave violação à Constituição.

"A ideia de laicidade também envolve o respeito à liberdade religiosa e o respeito ao direito de não ter qualquer religião. Crianças e adolescentes no ensino fundamental estão em fase de desenvolvimento da sua personalidade e da sua autonomia. A recusa em assistir à aula de religião ministrada oficialmente obriga a criança a uma atitude que a torna diferente dos seus colegas, numa fase em que o temor da exclusão é máximo e o pertencimento ao grupo faz parte do imaginário, da formação dessa criança", ponderou Barroso.

Para Barroso, somente o modelo não confessional de ensino religioso nas escolas públicas é compatível com o princípio de um Estado laico. Nessa modalidade, explicou o ministro, a disciplina consiste na exposição neutra e objetiva de doutrinas, práticas, aspectos históricos e dimensões sociais das diferentes religiões.

Na avaliação do ministro, o ensino religioso deve ocorrer nas escolas públicas com algumas condições: sem matrícula automática dos alunos na disciplina; os estudantes que não quiserem cursar ensino religioso deverão ter alternativas pedagógicas para cumprir a carga horária de estudos; e a possibilidade de os jovens se desligarem do curso a qualquer tempo.

Catequese

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, escola pública não é lugar para o ensino confessional. "Não se pode admitir que se transforme uma escola pública em espaço de catequese e proselitismo religioso - católico ou de qualquer outra confissão", disse Janot.

Já a ministra-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, defendeu os dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases e o acordo celebrado com o Vaticano. "Essa laicidade significa que o Estado não estabeleceu relação de inimizade com a fé. A laicidade estatal tem duplo viés: um negativo e um positivo. O Estado está separado, as instituições estatais não se confundem nem se misturam com as corporações religiosas, mas também há um viés positivo - o Estado deve garantir e assegurar a liberdade de consciência, diretamente ligada à liberdade de crença religiosa", sustentou a ministra.

FUENTE:

http://www.otempo.com.br/capa/brasil/barroso-defende-ensino-religioso-facultativo-sem-promover-cren%C3%A7a-1.1514821