Buscador de Noticias Mundial. La mas completa informacion para todos los usuarios en todos los idiomas.



Com ‘mais caro do mundo’ após 19 anos, seleção pode ganhar com Neymar no PSG

Na Seleção, Neymar tem mostrado bom humor e entrosamento após transferência para o PSG. Foto: CBF/Divulgação

A partida contra o Equador nesta quinta-feira (31), em Porto Alegre, também abre um novo ciclo para Neymar no que diz respeito à seleção brasileira. Agora o jogador mais caro do mundo, fruto de sua transferência por 222 milhões de euros (R$ 824 milhões) ao Paris Saint-Germain, ele vislumbrou a mudança de Barcelona para a França ao colocar na balança, entre outros pontos, os fatores Brasil e Copa do Mundo de 2018.

Para a seleção, há o simbolismo. Pela primeira vez desde Denilson, em 1998, um atleta do país não tinha o título de “mais caro do planeta”. Para Neymar, a transferência ainda pode ter reflexos no campo. Aos 25 anos, ele vê nessa mudança a chance de alcançar protagonismo em uma das atuais potências da Europa e, por consequência, também jogar de maneira mais semelhante à que exibe na seleção. Logo após sua estreia no Parc des Princes, contra o Toulouse (último dia 20), ele falou sobre isso.

“Sim [a transferência é melhor para a seleção]. Eu jogo da mesma forma, tenho liberdade, fico mais com a bola e acabo me movendo pela mesma faixa do campo”, declarou Neymar. “Na verdade, no Barcelona eu estava tendo mais liberdade também. Só que aqui [no PSG] ainda é diferente. Acho que jogo da mesma forma [da seleção], sim”, acrescentou.

A avaliação de Neymar é que, a cada ano, jogar ao lado de Lionel Messi e Luis Suárez representaria fazer sacrifícios pelo lado do campo. Na temporada passada, a média de gols dele diminuiu de maneira considerável, e o protagonismo seguiu dividido com os companheiros.

Quando fala em ser protagonista, Neymar deseja basicamente três aspectos: menos obrigações defensivas que no último ano, mais tempo com a posse de bola e, acima de tudo isso, liberdade para circular além da ponta esquerda.

Nos Jogos Olímpicos, foi o atacante quem sugeriu ao treinador Rogério Micale a mudança de posição do lado para a faixa central, onde se destacou não apenas com gols, mas também assistências. Com Tite, esse cenário tem se mantido, apesar da exigência para o sacrifício na marcação ser frequente.

Ao se transferir para o PSG, Neymar entendeu também que encontraria um cenário favorável para ficar mais próximo de seus dois grandes objetivos. Conquistar a Liga dos Campeões, grande ambição do clube e de seus proprietários, mas em uma posição de maior destaque que no Barcelona, foi o primeiro. O segundo, naturalmente, é vencer a Copa do Mundo de 2018, quando ele deve estar no ápice físico e técnico da carreira.

A mudança, por mais que representasse muito do ponto de vista financeiro, também encontrou resistência em seu estafe. O entendimento é que Neymar deixaria uma das principais ligas do mundo, a espanhola, para atuar em um torneio de nível técnico inferior, o Francês. Por outro lado, essa troca permitirá a ele se concentrar mais nos rivais mais difíceis, como Monaco, Nice, Olympique Marseille e Lyon, e na Liga dos Campeões.

Dentro desse contexto, a seleção brasileira deverá ser beneficiada, pensa Neymar. O atacante acredita que poderá evoluir com mais responsabilidades no PSG e chegar à Copa da Rússia em condição física perfeita. Nos últimos Mundiais, vale lembrar, vários grandes jogadores enfrentaram dificuldades para atuar em seu melhor nível. Casos, por exemplo, de Cristiano Ronaldo e Diego Costa, no Brasil, em 2014, depois de decidirem a Liga dos Campeões. O próprio Neymar, no último Mundial, terminou a temporada espanhola com um problema no pé.

A formação de um grupo brasileiro em Paris, naturalmente, está ligada ao contexto imaginado por Neymar. Em seu novo clube, o atacante atua com três dos principais amigos que possui na seleção: Daniel Alves, que se juntou ao PSG por sugestão dele, Marquinhos, com quem trocou mensagens ainda no início das conversas pela transferência, e Thiago Silva, companheiro desde as primeiras convocações para vestir a camisa amarelinha. Além deles, Lucas Moura, amigo desde os tempos de base da seleção, e Thiago Motta, que defende a Itália, também estão no elenco.

 

Agência Folhapress

FUENTE:

https://www.tribunaonline.com.br/com-mais-caro-do-mundo-apos-19-anos-selecao-pode-ganhar-com-neymar-no-psg/